agosto 14, 2017

Bita pelo mundo: Bogotá, Colômbia

No início deste ano visitei a Colômbia com duas amigas, sendo a Lina colombiana que mora no Brasil há alguns anos. Conheci Bogotá e Cartagena, e apesar da demora para escrever este post, não quero deixar de compartilhar minha experiência neste país apaixonante! Dividirei em dois posts, neste falarei sobre Bogotá.

Quando disse para as pessoas que ia para a Colômbia ouvi muitos comentários como “O que você vai fazer lá? ” ou ”É muito perigoso!”. Essa ideia de que a Colômbia é um país inseguro é besteira, e pensar assim pode te fazer perder experiência e tanto. Para mim, o maior perigo da Colômbia é querer ficar por lá!

O povo colombiano é extremamente educado e hospitaleiro, me senti mais segura em Bogotá que em qualquer outra cidade da América do Sul. Andei pelo centro histórico tranquilamente, sem medo ou sensação de vulnerabilidade. Os homens bogotanos são lindíssimos, e pelo clima da cidade ser estável o ano todo, em média 10ºC graus, eles também são muito elegantes. As mulheres não são tão produzidas como eu esperava, mas também são muito bonitas e em geral com cabelos longos e bem lisos. Assim como em são Paulo, elas usam muitas roupas da cor preta.

Por estar com uma amiga nativa eu acabei fazendo programas bem “locais”, como por exemplo, ir a house parties que tocavam muito (e apenas) reggaeton. O nacionalismo deles é admirável! Eles têm muito orgulho de tudo que faz parte da história do país. A comida, a música, adornos em geral como os chapéus...

Além do Museo del Oro, Museo Bottero e o  Cerro de Monserrate, que são passeios obrigatórios, quero dividir algumas coisas que fiz lá. Passei quatro dias na cidade, meu tempo foi muito bem aproveitado, naquele estilo “é proibido parar. Dormíamos as 5 horas da manhã e acordávamos as 9 horas todos os dias, haja pique! O descanso foi reservado para Cartagena, que é o assunto do próximo post. 





Iogurte com frutas e granola ma-ra-vi-lho-so!

Al Agua Patos – Fomos lá assim que chegamos e depois voltamos mais duas vezes. Se eu ficasse dez dias em Bogotá teria passado lá ao menos mais sete! É um restaurante fofíssimo, especializado em café da manhã e brunch, com muitas opções de sanduíches, iogurtes naturais com frutas, cafés e saladas. Só de lembrar eu fico com água na boca, foi o melhor iogurte que já tomei na vida, com uma textura aveludada. E as frutas!? Muito docinhas e lindas! Na entrada fica um vaso de rosas colombianas que são trocadas algumas vezes na semana. Outra coisa pelas quais me encantei na Colômbia, e já era de se esperar, foram as flores. 


Man at work no Abasto

Limonada com coco e suco de lulo, fruto originário dos Andes

Entradinhas

Prato principal inesquecível

Abasto  Na região de Usaquén, um bairro que podemos comparar com a Vila Madalena, aqui em São Paulo, cheio de bares e restaurantes, está o Abasto. Existem mais duas unidades do restaurante na cidade, mas o que fomos é uma graça. A comida foi uma das melhores que já provei na vida, daquelas que a gente pode fechar os olhos e lembrar do cheiro e sabor. Coloquei algumas fotos acima para poder ilustrar melhor pois não sei colocar em palavras. Acredito também que o clima do jantar colaborou muito para que eu registrasse essas memórias em meu coração, pois foi uma noite muita divertida com minhas amigas.


Carla, eu e Lina no Mirante de La Calera

Passeio de Chiva – Na segunda noite em Bogotá os amigos da Lina resolveram organizar um passeio de Chiva para eu e a Carla conhecermos a cidade. A Chiva é uma espécie de caminhão/ônibus balada, lembra aquele “trenzinho da alegria, que é comum em cidades de interior, mas com uma balada dentro. O trajeto durou umas duas horas e foi uma das coisas mais engraçadas e divertidas que já fiz na vida! A bebida oficial deles é aguardente, a preferida em Bogotá é a da marca Nectar, que vem em uma caixinha de papelão igual a de leite, só que ao invés de leite, contém bebida alcoólica, e das mais fortes! Hahaha  Acho que este é um passeio para ser feito quando a viagem é em turma, de preferência animada, mas eu não poderia deixar de contar aqui. A Chiva parou no Mirante de La Calera por alguns minutos para que nós pudéssemos apreciar a vista e comprar mais bebidas e comida nas vendinhas na beira da estrada.


Provando chocolate quente com queijo

Na visita a Monserrate paramos no café que tem lá. É uma graça e a vista é lindíssima! A comida era gostosinha também, mas a vista é o ponto alto (literalmente!). A dica da Lina foi que deixássemos para comprar souvenires nas últimas barracas e que pechinchássemos bastante. Os primeiros colocam sempre o preço mais alto pois não é todo mundo que tem pique para subir até o fim.



Na entrada do Andres Carne de Res, em Chia


#empolgada

Andres Carne de Res – se você visitar Bogotá certamente irá a este restaurante! Existem algumas filiais na cidade, mas o “original” fica em Chia, a uns 20km de Bogotá. Tive a sorte de conhecer esta unidade, a Lina nos dizia que era enorme e uma rua passava no meio, dizia também que seria o lugar mais louco que chinheceriamos na vida. Concordo com tudo o que ela disse! Não consigo explicar como é, acho que só visitando para entender. Na entrada tem uma fonte com morangos e balinhas e o teto é cheio de panelas e outras coisas penduradas. Alguns funcionários ficam espalhados pela balada com várias tintas e pincéis, para pintar no rosto dos clientes caso eles queiram. Eu aproveitei e pedi para uma moça fazer a bandeira da Colômbia na minha bochecha! Hahaha  Em relação à música, toca de tudo um pouco. No meio da balada havia alguns manequins e muitos neons espalhados por todos os ambientes. É uma loucura, mas muuuuito legal!

Como esta filial não fica em Bogotá, passamos na fazenda de um dos nossos amigos antes para reunir toda a turma e de lá fomos de carro para o Andres. Não há problema em ir dirigindo caso você vá beber, pois eles oferecem o serviço de motorista. Ao chegarmos lá, agendamos o horário que gostaríamos ir embora e pagamos uma taxa, e então um motorista nos levou com o nosso carro até Bogotá, enquanto outro foi atrás de moto para que eles voltassem juntos. Não é genial? Como é muito frio, pois fica em um lugar aberto e afastado, quando acaba, lá pelas 3 da manhã, tem um ambiente que vende caldos e empanadas, é como e fosse um after, só que a balada toda no mesmo lugar! Hahaha


Comidas típicas

Fazendo amigos em La Calera

No final último dia fomos de carro para La Calera, uma pequena vila que fica a poucos quilômetros de Bogotá. Lá paramos no El Tambor, um restaurante a céu aberto cercado por montanhas que tem um visual lindíssimo. A Lina nos levou lá para provarmos algumas comidas típicas. Pedimos uma cesta que vinha com arepas, o milho tradicional colombiano, e algumas carnes cortadas em quadradinhos. Tomamos também um refrigerante que é como o nosso guaraná aqui, chamado Colombiana. Em La Calera tem um mirante que é um show à parte durante a noite, além de uma capela e um parque, que são famosos entre os turistas.

Salvador Dalí no museu Bottero


Algumas dicas que não posso deixar passar:

- Tome (muita) limonada com coco, é uma bebida típica da Colômbia e seu único arrependimento será não ter tomado mais, ou não ter pedido a receita!
- Prefira usar Uber a táxi em Bogotá, o preço é muito melhor. Além do mais, as ruas são enumeradas, o que torna tudo um pouco mais complicado.
- O acervo do museu Bottero é excelente, com obras de artistas como Max Ernst, Pablo Picasso e Claude Monet.
- Quatro dias na cidade, caso você esteja com o tempo contado, é excelente!
- Não é um lugar tão bom para compras, mas o shopping mais famoso é o Shopping Andino, localizado na zona T.
- Os melhores hotéis estão na zona G, bem como os melhores restaurantes.
- Fiquei hospedada no bairro Virrey, em um hotel que se chama B3 Virrey. Demos preferência para pegar um hotel melhor em Cartagena, portanto este é um hotel mais simples, mas o custo benefício valeu a pena e a localização também é ótima!



O post ficou enorme, mas não quis deixar nada para trás. De quebra, deu para matar um pouquinho da saudade...


 Bita


fevereiro 17, 2017

INSPIRAÇÕES DE MAKE & CABELO PARA O CARNAVAL

Apesar de ainda faltarem alguns dias para o Carnaval, todos já estão, como diria Silvio Santos, em ritmo de festa. Este ano ainda não fui a nenhum bloquinho, mas salvei diversas inspirações no meu Pinterest. 

Gel e um pouco de glitter garantem um penteado incrível, e as margaridas de tinta guache? Fácil de fazer e fica lindo! "Sardas" de estrelinhas, fixadas no rosto com cola de cílios postiços, e sombra turquesa... Queria ainda ter o mês de fevereiro inteirinho pela frente para poder usar tudo isso! A partir destas referências podemos deixar nossa imaginação rolar e fugir da, já um pouco batida, coroa de flores. Aproveitando o post, abaixo listei alguns sites que vendem adereços incríveis para se usar nessa época do ano. Um agradecimento especial a minha amiga Maria Júlia, que me apresentou alguns destes links!


Os arcos e fascinators da Tula são de altíssima qualidade, prova disso é que eles estão presentes em várias fantasias do baile da Vogue e outras grandes festas temáticas. Para quem pensa em investir em um acessório de cabeça "fancy" para alguma ocasião especial - inclusive eles têm uma coleção para noivas! - este é o lugar.

Essa lojinha virtual vende uns acessórios super lúdicos que têm tudo a ver com esta época do ano, como por exemplo, brincos neons de alien! hahaha

Comprei um arco "Carmem Miranda" pelo site e chegou muito bem embrulhado, sem contar que eu não estava esperando que pessoalmente a peça seria tão bonita. Me surpreendi! O estilo dos produtos da Can Can Acessórios segue a mesma linha que os da Tula Casqueteria. Para quem quer investir em um adereço de peso que vai durar muitos carnavais!

Esta empresa cria e desenvolve produtos promocionais, entre eles: tatuagens temporárias! As opções de Carnaval estão muito legais, além disso você também pode mandar fazer algo personalizado para usar com os amigos durante estes dias. 

Instagram que vende maiôs e arcos extremamente surrealistas e lúdicos, perfeitos para o Carnaval! Acredito que as vendas são feitas via Direct Message pois não consta site nem telefone para contato no perfil.




Um excelente Carnaval, boys & girls!


Bita



fevereiro 09, 2017

NUNCA É TARDE PARA FALAR SOBRE ALTA COSTURA

Os desfiles de Haute Couture Spring 2017 acabaram há algumas semanas, mas nunca é tarde para abordar este segmento da moda que além de “fora de série”, é sinônimo de prestígio e luxo. Enquanto mostro os momentos mais especiais desta temporada, quero voltar no tempo para compartilhar um pouco do que sei sobre a história da alta costura...

Até o século XVIII, as roupas eram confeccionadas por artesãos que apenas executavam, sem nenhuma autonomia criativa, os desejos de quem podia pagar por seus serviços. No ano de 1846, um inglês chamado Charles Frederick Worth mudou-se para Paris e lá começou a trabalhar em uma loja de tecidos. Doze anos depois, em 1858, ele decidiu abrir um ateliê de costura na cidade, pois percebeu que, com a Revolução Industrial e o surgimento dos teares e máquinas de costura, as roupas estavam sendo produzidas de forma mais rápida e fácil, portanto a “exclusividade” precisava ser revalorizada. Com essa sacada, passou a atender as mulheres mais nobres da corte de Napoleão III, inclusive Eugènie, a Imperatriz.  Worth tinha toda a Europa desejando seus serviços.


A atmosfera do desfile da Valentino que foi, literalmente, puro sonho, já que esta era uma das referências de Piccioli.


A esposa de Worth chamava-se Marie Augustine, ela teve influência direta na maneira do costureiro trabalhar: Worth parou de aceitar opiniões das clientes na hora de desenhar e produzir as peças, criou uma “etiqueta”, o que não existia, e fez de Marie Augustine sua modelo para exibir as roupas, convidando depois outras mulheres e promovendo o que seria o ancestral do atual desfile de moda (aqui eram apresentações regulares, que depois tornaram-se sazonais). As clientes iam até ele por suas criações, o que até então era inédito.

 Em 1968 foi fundada a Chambre Syndicale de la Haute Couture, uma associação de costureiros existente até hoje, que regulamenta as atividades das maisons de alta costura na França. No ano de 1908 o termo “haute couture” foi usado pela primeira vez como conhecemos.


Schiaparelli: Update na lagosta mais famosa do mundo da moda! Aplique em crepe.


Para uma peça de roupa ser considerada Haute Couture é preciso seguir certas regras, algumas delas:

- Ser confeccionada de maneira artesanal, sob medida - com ao menos uma prova – e utilizar materiais de exímia qualidade, podendo levar até pedras preciosas nos bordados.

- O ateliê da maison deve ser em Paris (a não ser o caso das marcas convidadas e representantes, mas não entrarei em detalhes neste post), precisamente no Triângulo de Ouro, que fica localizado entre avenidas Montaigne, Georges V e em um lado da avenida Champs Elysées

- A maison precisa ter ao menos um perfume; apresentar suas coleções duas vezes ao ano com pelo menos 35 looks e empregar um grupo de funcionários em tempo integral.


Diretamente da coleção recorde de elogios de John Galliano para a Maison Margiela desde que o designer chegou lá, o vestido mais "instagramado" desta semana de Haute Couture!


O termo Haute Couture só existe em Paris, é legalmente protegido e só pode ser usado pelas casas que receberam a designação. Não existem “marcas” de alta costura, mas maisons, e o grupo de compradoras é extremamente restrito devido aos valores estratosféricos, uma peça simples pode ter o preço inicial por volta de US$10 mil. Estima-se que no mundo todo exista em média duzentas colecionadoras (se tratando de Haute Couture, é assim que elas são chamadas, isto é, clientes jamais!), algumas delas, para quem tiver interesse: Elena Perminova, Rainha Rania da Jordânia, Ulyana Sergeenko – sim, a própria! - e Mozah Bint Nasser Al-Missned.

Resumindo, a alta costura francesa não rende lucro para nenhuma casa, mas tem a ver com técnica, habilidade criativa e claro, status! É uma verdadeira fábrica de sonhos.



Boulevard of Broken Dreams: A coleção de upcycling, que usou peças da última década, feita por Viktor & Rolf.


Nesta última semana de alta costura algumas das maisons que apresentaram suas coleções foram: 
Ulyana Sergeenko, Zuhair Murad,Guo Pei,Jean Paul Gaultier,Valentino, Viktor & Rolf,Elie Saab, Givenchy, Alexandre Vauthier, Maison Margiela, Ralph & Russo, Armani Privé, Alexis Mabille, Chanel, Giambattista Valli, Atelier Versace, Christian Dior e Schiaparelli.


Givenchy e o último desfile de Riccardo Tisci na casa, após 12 anos. 


Aguardando estes looks nos tapetes vermelhos!



Bita

dezembro 21, 2016

REINAUGURAÇÃO REGINA HAMOUD

 No dia 15 de dezembro, quinta-feira passada, a loja Regina Hamoud reinaugurou em Dourados. Tive a sorte de estar aqui para prestigiar as meninas que, com muita dedicação e carinho, armaram uma super festa para comemorar a nova fase após um ano de reforma.

Para quem não conhece, a Regina Hamoud é uma loja que há 14 anos se tornou uma das opções mais completas em Dourados e região para quem procura roupas de diversos os estilos, tanto na linha casual como na festa. E falando nisso, a parte de cima da loja foi inteiramente dedicada à vestidos para grandes ocasiões. O projeto de arquitetura foi concebido pelo Jordano Valota e ficou incrível, imponente e moderno. Me conquistou pelos mínimos detalhes, como as araras suspensas ou as cordas que também seguram alguns cabides na entrada da loja.  

A festa durou até de madrugada, nunca vi a mulherada tão animada! O mais interessante é que tinha gente de todas as idades. Foi muito divertido e acredito que isso é resultado da dedicação que a equipe tem com seu público, as clientes queriam prestigiar de fato e essa é mais uma prova de como a loja conhece seu cliente e consegue torná-lo fiel.

Sobre o look que usei: Escolhi a blusa e saia da Tigresse, que é uma marca que a Regina Hamoud trabalha há anos e apostou muito antes do “boom” que acompanhamos hoje. Quis brincar com as cores e muitos gostaram do resultado. Gostaria de agradecer o fotógrafo Anderson Zanatta e a equipe da revista Celebrar por cederem as fotos deste post.

Muita prosperidade para vocês Regina, Carol, Tati e Carlinha! Tenho certeza que é mais um capítulo de uma longa história de sucesso! Obrigada pelo convite!




Com Leth Ramos da @gypsybrasil e Flávia Arruda




Tati, Carol, Regina e Carlinha

Eu e Leth Ramos da @gypsybrasil






Regina Hamoud 
Rua Olinda Pires de Almeida, 795, Dourados - MS
Telefones: (67) 999659082 e (67)999656615
Snapchat & Instagram @reginahamoud

Bita

dezembro 15, 2016

MEU LOOK Nº10

Me desculpem pela ausência, este último mês foi um período bastante conturbado para mim em todas as áreas da vida, especialmente na “acadêmica”. Agora, finalmente, estou de férias, o semestre mais difícil da faculdade antes do TCC passou e nos próximos meses terei mais tempo livre para me dedicar ao site, como eu havia planejado.

Para quebrar o regime de posts, este look que fotografei há alguns meses com o Ricardo Zanella. Acho que foram as fotos mais bonitas que já tirei até hoje! Fiquei apaixonada pelo resultado das cores do ambiente em relação as roupas. E falando nelas, este blazer é meu xodó, sempre que uso alguém elogia, pois, a abertura nas costas é um detalhe que faz toda diferença, além dos bolsos que são super despojados.







Fotos: Ricardo Zanella

Blusa, Blazer e Calça- Gloria Coelho | Tenis - Prada | Brinco - Muito antigo, da minha mãe | Bolsa - Valentino





Bita